Rua Desembargador Affonso José de Carvalho

Através do projeto de lei 129 de 1927, recebe a denominação de Rua Affonso José de Carvalho a Rua que passa nos fundos da igreja matriz até a Praça da república.


Affonso José de Carvalho era filho de Saturnino José de Carvalho e Dona Januária Marcondes Cesar de Carvalho, era sambentista. Nasceu em o4 de março de 1868. Em 1870 a família mudou para Santo Antonio de Cachoeira. Em 1874 com a morte do pai, mudou-se para São Paulo, passando a viver com a tia Francisca Carolina de Carvalho.


Formou-se em Direito em1889, em 1890 foi nomeado promotor Público ficando até 1901. Após um concurso foi nomeado Juiz de Direito de São Bento do Sapucaí, segundo Juiz da Comarca e permaneceu até 1910. Depois sendo transferido para Franca.


Em 1918, entrou na lista dos cinco Juízes, por merecimento, organizada pelo Tribunal de Justiça do Estado. Foi removido pelo governo para a Comarca de Santos e, alguns meses depois, para a Primeira Vara Civil da Capital.
Deu entrada como desembargador em junho de 1927, na vaga deixada por Soriano de Souza. Era conferencista, historiador e músico. Compôs o hino Sambentista, executado pela primeira vez em 1 de setembro de 1915, na inauguração do Grupo Escolar Cel Ribeiro da luz.


Escreveu a história de Franca e compôs o hino da cidade. Foi membro do Instituto histórico de São Paulo e escreveu 3 livros de relevância: Decisões, Inquirições e Novas decisões. Foi também redator do parecer da Associação dos Magistrados Paulistas, sobre a Reforma do Judiciário em 1921.


Quando se tornou Desembargador empenhou-se nos trabalhos de sua profissão. Faleceu em 5 de setembro de 1952, em São Paulo.


HINO SAMBENTISTA
Erguei ó gente da serra
Erguei contente o olhar
Um clarão que a vida encerra
Sobre nós ei-lo a brilhar

Uma estrela alviçareira
A infância aclara a conduz
Nos cimos da Mantiqueira
Resplandece nova luz

Honrando a terra Paulista
Um templo novo hoje ergueis!
Respeitoso é o Sambentista
Do progresso às grandes leis

Alçai o olhar a mocidade
Na frente haveis de seguir
Caminhai que a claridade
Mostra louros no porvir

Fonte: Frutos da Terra – Isaura Aparecida de Lima e Silva